Eleições 2018, ed. 23 – Chapa Lula-Haddad lidera relevância no Twitter

Semana 23, de 10 a 17 agosto

Chapa Lula-Haddad lidera relevância no Twitter

Debate impulsiona Marina e contribui para reduzir relevância de Bolsonaro; Amoêdo tem crescimento mais consistente na semana  

Por Maria Luiza Abbott e Marcelo Stoppa, AJA Media Solutions

 

O debate na RedeTV!, a liminar do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a candidatura do ex-presidente Lula e iniciativas do Twitter para conter uso de ações coordenadas e distorções na rede foram os eventos de maior influência no ecossistema das eleições na semana. Na primeira semana depois da inscrição das candidaturas na Justiça Eleitoral, as métricas da pesquisa da AJA Solutions indicam que a chapa LulaFernando Haddad conquistou a maior fatia de relevância e visibilidade (R&V), chegando a mais de 33% do total.

As métricas indicam que a chapa do PT foi impulsionada pelo anúncio de que o Conselho da ONU disse que o Estado brasileiro deve garantir ao ex-presidente o exercício de todos os direitos políticos mesmo que na prisão. Os tuítes do próprio Lula sobre a liminar do Conselho da ONU contribuíram para aumentar a fatia de R&V da chapa, que recebeu o reforço dos tuítes de Haddad, Manuela D´Ávila (PC do B) e Guilherme Boulos (PSOL) – todos com alta ressonância na rede.

Em 2º lugar no ranking da AJA, a chapa Jair BolsonaroGeneral Mourão, que perdeu R&V depois do debate na TV, em que o embate do deputado com Marina Silva teve elevada relevância no Twitter. A posição dela e as respostas a ele foram o principal impulsionador da relevância dela no Twitter na semana. Além de menor eficiência no debate em relação à semana anterior, Bolsonaro, diferentemente dos demais, não tem a contribuição do vice na campanha nas redes – o general não tem conta no Twitter.  

A surpresa da semana foi a chapa João Amoêdo-Christian Lohbauer (Novo), que ficou em 3º lugar no ranking de R&V no Twitter, consolidando ganhos das semanas anteriores. A mensagem de Amoêdo vem ganhando ressonância nas redes desde o fim de julho e ele vem consistentemente ficando acima do patamar de relevância – a partir do qual a mensagem do candidato tem ressonância e potencial para persuadir potenciais eleitores no ecossistema das eleições no Twitter. A mensagem de Amoêdo vem atraindo diferentes perfis, e já é possível notar, pela análise métrica e qualitativa, a presença de seguidores de Bolsonaro entre os usuários que vêm se engajando com o candidato do Novo. Lohbauer, o vice de Amoêdo, tem pequena contribuição para a visibilidade dos dois na rede.

A chapa Marina Silva-Eduardo Jorge aparece em 4º lugar no ranking da semana, impulsionada pela participação dela no debate na TV.  Ele tem um desempenho discreto no Twitter e pouco contribuiu para a fatia de R&V da chapa. Guilherme Boulos-Sonia Guajajara (PSOL) ficam em 5º, impulsionados pela eficiência da comunicação dele, mas que também tem a contribuição dela no trabalho de buscar engajamento com a mensagem deles no Twitter. Entre os candidatos com melhor desempenho nas pesquisas eleitorais, a chapa Ciro Gomes-Katia Abreu (PDT) ficou em 6º, seguidos de Geraldo Alckmin-Ana Amelia Lemos.

Num cenário em que Lula é retirado da lista de candidatos analisados no ecossistema das eleições no Twitter, a chapa Bolsonaro-Mourão passa a liderar o ranking da semana. Em 2º lugar, a chapa Haddad-Manuela, que cresce especialmente pela alta eficiência e pelos bons resultados da comunicação dela no Twitter. A posição das demais chapas pouco varia com a ausência do ex-presidente entre os perfis analisados na semana

Correções

          Na semana passada, a relevância e visibilidade dos candidatos foram distorcidas pelo emprego de táticas de crescimento como ações coordenadas para valorizar hashtags, incluindo estratégias para guerrilhas digitais que vêm sendo registradas desde o fim de julho – entre elas, uso de perfis com comportamento semelhante ao de robôs. Nesta semana, as distorções não chegaram a prejudicar a análise do desempenho dos candidatos.

           Com seu modelo de negócio sob pressão no mundo inteiro devido a tentativas de distorção do fluxo de comunicação, o Twitter avisou, em 14 de agosto, que estava suspendendo contas de “comportamento abusivo” em todo mundo. Comunicou que essas contas não seriam mais autorizadas a usar o Twitter e que o trabalho vai continuar nas próximas semanas.

O perfil de Bolsonaro voltou a reclamar da ação do Twitter, o que já tinha feito na semana passada, quando insinuou que havia algum tipo de censura por parte da companhia. Desta vez, buscou chamar a atenção de seus seguidores para que promovessem nova hashtag: “O twitter já derrubou 3 de nossas hashtags quando estavam nos trending topics:  #VotoBolsonaro17 #BolsonaroPresidente17 e #BolsonaronaRedeTV ! Vamos agora com nosso nome: #JairMessiasBolsonaro”, avisou durante o debate. O seu tuíte teve 17 mil curtidas, 5,5 mil retuites e 1,4 mil comentários

Conjunto de dados analisados e mapa interativo

Nesta semana, a pesquisa da AJA analisou mais de 1.440.004 interações entre 649.836 usuários no ecossistema das eleições no Twitter. Esse é um número recorde de usuários e interações, o que leva ao processamento mais lento de dados.  Por isso, ainda estão sendo levantadas métricas que podem confirmar a tese inicial do uso de robôs e fakes. 6

A versão interativa dos mapas de relevância e visibilidade e de influência e afinidade dos pré-candidatos revelam os erros, acertos e os caminhos que podem ser feitos para ganhar relevância na rede.

 

Para continuar a leitura, clique aqui